22 de set de 2012

Desejo a Você uma Boa Noite


O Maior e Mais Gordo Gato do Mundo

Esse é Garfield, o maior e mais gordo gato do mundo. Com 40 libras, que é igual a mais ou menos 18 quilos, e um tamanho fora do comum, Garfield foi levado para um Centro de Resgate Animal em New York após o falecimento de seu dono. Após sua
 chegada à clínica, o bonitão foi colocado em uma dieta saudável para que possa voltar a ter uma vida ativa e ser adotado. Apesar de ser um problema, não podemos negar que o bicho é lindo! (via Telegraph http://goo.gl/lbLHH)
Não acreditou? informações retiradas de: http://goo.gl/rok4P
Foto: Laurentiu Garofeanu / Barcroft USA








Bola de cotão: O gato ainda é relativamente saudável, mas se esforça para se mover e está em risco de devloping sérios problemas de saúde no futuro
O felino full-figurado foi trazido
em North Shore Liga animal da América em Port Washington, Long
Island, depois que seu proprietário morreu.
Pessoal
colocá-lo em uma dieta de baixa caloria, cortar todos os alimentos secos em um esforço para
imitar o sucesso de Bob Esponja na perda de £ 3 apenas alguns meses.
Eles
esperam Garfield pode perder cerca de £ 2 por mês, e estão à procura de um novo
proprietário que está empenhada em ajudá-lo a tornar-se saudável e ativo.
North Shore veterinário Gerard Leheney disse: 'Este é o mais gordo gato que eu já vi. Minha primeira reação foi surpresa. "
Garfield é relativamente saudável, mas acha difícil se mover porque o peso dele está colocando pressão sobre seus quadris.




Marie e Joana (Mariejoana)



Como banhar seu gatinho sem stress


Video de Gatinhos


Curiosidades sobre gatos



Por que dizem que os gatos têm sete vidas?
A resposta está na constituição felina: grande flexibilidade, agilidade, destreza, garras afiadas, visão e audição aguçadas, que lhes permite escapar de muitas situações adversas.
A escolha do “sete”, por sua vez, deve-se ao facto deste ser um número simbólico: o sétimo dia foi o do descanso de Deus após a criação do universo, são 7 os pecados capitais, as notas musicais e as cores do arco-íris. Na numerologia, o 7 representa a junção do material (4) com o espiritual (3).
Porque se lambem os gatos?
O costume de se lamberem deu aos gatos a fama de animais higiénicos este hábito nasceu como instinto de defesa do animal. O gato normalmente começa o ritual passando a áspera língua nas patas para lavar a cabeça e as orelhas. Depois lambem o restante do corpo. Após as refeições, os antigos gatos se banhavam para retirar o cheiro do alimento para não atrair a atenção de predadores.
O gato também se lambe para aliviar o stress. Daí que gatos muito nervosos se lambam compulsivamente. A minha gata Molly sofre deste problema, em alturas em que ela fica mais nervosa, lambe-se e coça-se excessivamente originando crostas e peladas no corpo, a primeira vez que isto aconteceu achamos que era um problema dérmico mas após uma visita ao veterinário vimos que tudo se resolvia com um calmante.
Porque é que os gatos tapam as fezes?
O acto de esconder as fezes é um recurso muito utilizado pelos felinos, como forma de proteger a própria espécie. Não revelando seu paradeiro a outros animais, eles se protegem de predadores e não espantam suas presas. Também por isso, a maioria dos animais não defeca nas proximidades do ninho ou da caça. O enterrar das fezes também reflecte domínio ou subordinação. Entre felinos, o felino dominante não tapa as suas fezes, deixando-as à vista para marcar território. Na nossa casa os gatos enterram os excrementos mostrando que eles se sentem subordinados em relação a nós. Acham-nos fisicamente mais fortes e sabem que controlamos o seu modo de vida, afinal somos nós que garantimos o seu alimento diário. Quando um gato de casa deixa as fezes por enterrar é sinal que algo está errado. Pode ser uma questão de auto-afirmação, dominância em relação a outro animal lá em casa ou pode ter aversão à areia do caixote. Na minha casa, ocorreu um conflito entre o meu gato e uma das minhas gatas, ela não o aceitava e ele insistia em mostrar-lhe que ele mandava, nessa altura reparei que ela nunca tapava as fezes quando ia a casa de banho, o que mostrava que ela não esta contente com a situação.
Quando é que os gatos ronronam?
Os gatos ronronam quando sentem prazer mas também podem ronronar quando estão em sofrimento ou com medo. O ronronar indica uma disposição social amigável, é um sinal de resposta que pode exprimir satisfação pelo carinho recebido ou necessidade de ajuda ou conforto. Uma das minhas gata ronrona muito quando está no veterinário, isso não significa que ela esteja contente mas expressa a necessidade dela do meu apoio. . O ronronar é um comportamento infantil, os gatinhos ronronam a partir da primeira semana de vida e isso indica à mãe que tudo está bem. Já nos gatos adultos traduz uma certa dependência do contacto entre os donos e os outros gatos.
Porque é que os gatos não gostam de portas?
Já deve ter reparado que quando está em casa e fecha a porta de um quarto, que costuma estar sempre aberta, o seu gato de repente fica extremamente interessado no quarto, põe-se a porta, raspa e insiste em entrar no quarto que antes nem ligava muito. Se o deixarmos entrar ele fica todo contente mas dai a pouco já quer sair. E nós dizemos: “Então quiseste entrar, eu deixei-te e agora já queres sair! Decide-te!” Não entendemos aquele desejo de entrar e sair, acontece que as portas representam um obstáculo à vida normal do gato. O gato, principalmente se for um macho, quer inspeccionar as suas redondezas, recolher informações e renovar as marcas deixadas no seu território: esfregar a cabeça, as orelhas e o corpo pelos móveis e se necessário borrifar com urina para encher o local de essência de gato. Visitas diárias a todos os locais da casa são importantes para deixar o seu gato satisfeito e se tiver um macho pode evitar que ele se lembre de marcar aquele quarto que tem sempre a porta fechada quando ele tiver oportunidade de lá entrar.
Os gatos são traiçoeiros. Oferecem-se de barriga para cima mas mordem quem lhes faz festas.

Falso: O gato deita-se de costas oferecendo a barriga apenas a quem ele considera amigo íntimo. É como se o seu gato dissesse: “ eu mostro-te a minha barriga em demonstração da minha confiança em ti, por adoptar esta postura tão vulnerável na tua presença”. Mas uma coisa é mostrar, outra bem diferente é deixar acariciar! Nem sempre é seguro concluir que um gato nessa posição espera ser acariciado. Muitas vezes a resposta é uma violenta sapatada com as patas traseiras. A região abdominal é tão fortemente protegida que os gatos não apreciam contactos nessa zona. Por isso eles estabelecem um limite que os donos nem sempre entendem: podem ver, mas não devem tocar!

Os gatos adultos tacteiam o colo dos donos com as patas dianteiras confundindo o dono com a própria mãe.
Verdadeiro: Alguns acham chato quando o nosso gato salta para o nosso colo, tendo as unhas compridas e nos pisa com as unhas e acabamos por mandá-lo para o chão!
O gato fica muito desapontado! Porquê? Na realidade ele julga que nós somos a mãe dele. São esses os movimentos que ele fazia quando mamava na mãe, a fim de beber o leite. Esta reminiscência de comportamento infantil deve-se ao facto que os gatos caseiros continuam a ser cuidados e alimentados por nós humanos, e o gato adulto permanece gatinho em muitos sentidos, encarando-nos como falsas mães. Não faça o gato infeliz! Corte-lhe as unhas e deixe-o pisar o seu colo, ele vai adora-lo por isso!

Os gatos arranham o sofá por puro prazer.
Verdadeiro. O gato arranha a superfície que ele entende que lhe dá oportunidade de eliminar as unhas velhas, renovando as garras. Também o faz para marcar território, colocando aí “marcas de cheiro” imperceptíveis aos nossos narizes. Os felinos possuem glândulas odoríficas na parte inferior das patas. Quanto mais o gato usa essa superfície, mais é atraído a ela, pois possui o seu cheiro. O gato também arranha como forma de exercício, espreguiçando-se.  
Por isso se o seu gato arranha o sofá e móveis, perceba que ele tem necessidade de o fazer, mas habitue a arranhar uma superfície que seja do seu gosto e do dele também.


 

A Espiritualidade dos Animais


 Informações de  Márcia Fernandes em Lidando com o Invisível
BLOG GRANDE INTERNO_A ESPIRITUALIDADE DOS ANIMAIS

Os animais têm instinto apurado e são puros, além da linguagem própria de acordo com cada espécie. Eles são inferiores à raça humana, apresentam a liberdade limitada de ação, pois não têm o livre-arbítrio.
A ciência afirma que os animais têm uma inteligência rudimentar conforme as suas necessidades. Mas a espiritualidade dos animais vai mais além. Eles são seres que agem pelo instinto, seres que amam o ser humano, sentem as energias do ambiente e também humanas, são extremamente sensíveis a tudo que os rodeia.
Será que realmente os animais têm a ligação direta com o outro mundo? Os felinos realmente podem enxergar os mortos e alertar os seus donos sobre uma presença espiritual?
Segundo os testes científicos realizados em laboratórios de Parapsicologia revelam que os animais também podem desenvolver estranhas habilidades paranormais.
Você já teve a impressão de que o seu animal te compreende mesmo sem você falar absolutamente nada? A impressão foi confirmada cientificamente. Alguns animais possuem a hiperestesia indireta, ou seja, faculdade paranormal que eles conseguem perceber as mensagens telepáticas, principalmente de seus donos. A conversa psíquica com os animais pode ser desenvolvida com treinos e para isso já existe a psicoveterinária, isto é, um ramo da Psicologia direcionada aos animais.
Na Antiguidade, os egípcios já acreditavam que os felinos conseguiam ver as almas das pessoas e acessar o mundo dos mortos. Por causa dessa crença, quando um faraó nobre ou um sacerdote falecia, um gato era sacrificado e enterrado com o morto. A sabedoria egípcia dizia que o gato iria despertar na morte e levar o espírito para o além, seu destino final.
Vale lembrar que o gato apresenta a espiritualidade aguçada no olhar, já o cachorro, no focinho.
Os gatos assistem e sentem tudo. Jamais duvidem disso! Eles apresentam uma visão aguçada, podem sentir as energias eletromagnéticas negativas do ambiente, pois sentem o local onde estão, sentem a energia do ódio, da tristeza. Não é a toa que eles têm sete vidas, pois são animais livres, espertos, independentes e caçadores. Eles são considerados bichos sagrados, pois transmitem vida, alegria, amor, energia positiva para as pessoas e afastam as almas trevosas do ambiente, além de apresentar o poder da hipnose.
O cachorro também é considerado um animal maravilhoso para o ser humano. Ele é o verdadeiro amigo do homem, o nosso Anjo da Guarda, pois não tem nenhuma maldade, é um ser puro, age por instinto, ama realmente o seu dono sem nenhum interesse. Ele sente, por exemplo, quando o dono está triste ou está prestes a morrer, ou seja, ele tem a premonição da morte, consegue enxergar a aura das pessoas, se as pessoas estão tristes ou não, se estão com encostos e, muitas vezes, o cachorro se assusta ao ver algo estranho.
Ele também tem o poder de “quebrar quebranto”, quer dizer, afasta a inveja da sua aura, quebra as energias negativas e elimina tudo de maldade humana que você apresenta. Dependendo do caso da maldição no ser humano, o cachorro terá queda dos pêlos ou até chegam a morte em virtude da energia pesada sobre os seus donos.
E o que acontece quando o cachorro morre? Quando um cachorro morre, reencarna na mesma família em aproximadamente 60 dias, pois não são espíritos errantes como nós que precisamos ficar um tempo em outro plano para acertarmos os erros cometidos. Que divino é o nosso animal de estimação!
Vale mencionar que não só os cachorros e os gatos são os amigos do homem em todos os sentidos. O golfinho, a baleia, a águia, a tartaruga, a coruja, o papagaio, o pica-pau, por exemplo, também apresentam os seus valores e atributos positivos.
- A baleia e o golfinho pensam dezesseis vezes mais rápido que o ser humano e é por isso que são considerados os seres mais inteligentes do Planeta.
- A águia representa a força e apresenta uma visão mais aguçada que todos os animais.
- A tartaruga tem a casa própria, passeia devagarinho e sempre.
- A coruja apresenta o poder da magia, consegue enxergar 360º e representa os nossos ancestrais.
- O papagaio também consegue ver tudo e sabe de tudo, pois a sua espiritualidade é aguçada.
- O pica-pau representa a justiça em sua vida.
Devemos respeitar os animais, pois eles são seres maravilhosos e estão aqui para nos ajudar. Futuramente, não haverá mais a necessidade do ser humano matar os animais para complementar a alimentação. O próprio ser humano está cada vez mais evoluindo para comer somente grãos e verdura.
Todos nós devemos sim ter um animalzinho em casa para nos proteger e fazer companhia. Cuide dele com todo o seu amor e carinho, pois ele merece! Eu mesma estou procurando um cachorrinho…


Direitos Autorais: Márcia Fernandes.

Tadinha! É Ruim!


Tenha um ótimo fim de semana


21 de set de 2012

Boa Noite


Princesa Linda! SAUDADES


Essa Era a Princesa Linda minhas gatinhas acabam sempre sumindo e eu fico sem saber oque aconteceu com elas....

Atirei o Pau no Gato

Atirei o pau no gato do DVD GALINHA PINTADINHA



Resposta do Tom a música atirei o pau no gato


Tom canta Balada Boa Gustavo Lima


Consul - Gato


Gatos e os Benefícios Espirituais


Resumo da Cultura dos Gatos


O primeiro ancestral do nosso querido gato doméstico, o Miacis viveu aproximadamente há 40 milhões de anos, era um animal com características muito diferentes em relação à classe atual dos felinos. Acredita-se que ele vivia em árvores para se proteger dos predadores. Na evolução da espécie o Dinicts, foi o que começou a ter traços semelhantes aos felinos de hoje, isso aproximadamente há 10 milhões de anos. Estão presentes na sociedade, como animais domésticos, desde cerca de 9 mil anos atrás. Nesse tempo, foram perseguidos, adorados como deuses, serviram de utilidade pública, ou simplesmente amados por uma família. Há 2 mil anos, o gato era tido como animal sagrado no Antigo Egito. Bastet, a Deusa da felicidade e da fertilidade, era geralmente representada por uma mulher com uma cabeça de gato, bem como o seu animal-totem, que igualmente era considerado um Deus. Além de Bastet, Rá e Osíris, também Deuses egípcios, ocasionalmente eram representados por figuras de felinos. Os egípcios apreciavam de tal maneira seus gatos que sua exportação era expressamente proibida, mas os mercadores jônicos entregaram-se a um lucrativo contrabando que permitiu ao gato caseiro alcançar primeiro a Ásia Menor e depois Europa. Na Índia o gato foi, domesticado na mesma época que no Egito. A China já conhecia o gato-caseiro 1.000 anos antes de nossa era, o Japão um pouco mais tarde.A Idade Média foi, de um modo geral, hostil aos gatos, que eram associados às feitiçarias e considerados criaturas diabólicas. Nesse período eles passaram a ser perseguidos pelos fanáticos religiosos, os mesmos que os acolheram durante muito tempo, os cristãos. Era visto como um animal do Diabo, pricipalmente os de cor preta e também por causa da sua ligação com Bastet, Deusa da fertilidade e Fréia, a Deusa do amor. Milhares de gatos foram queimados em praça pública, juntamente com mulheres acusadas de bruxaria. Somente após o final da Idade Média os gatos puderam desfrutar as suas sete vidas da maneira que sempre quiseram, instalados confortavelmente nas casas dos humanos, com comida à vontade e várias regalias. É desta época que parte a maioria das superstições, das quais algumas chegaram aos nossos dias. Em diversas culturas da Antiguidade, em especial nas culturas orientais, o gato era considerado um guardião das almas dos mortos, detentor dos mistérios da vida e da morte, um condutor que as levava até o outro lado. Sob esta perspectiva, o gato era adorado como Divindade, e reverenciado como animal de grande poder místico. O gato imortal existe, em algum mundo intermediário entre a vida e a morte, observando e esperando, passivo até o momento em que o espírito humano se torna livre. Então, ele irá liderar a alma até seu repouso final. (The Mythology Of Cats, Gerald & Loretta Hausman).

Na mente de muitas pessoas, o gato ainda é um animal misterioso, quase sagrado, de uma visão além do normal e uma percepção aguçada. Diz-se mesmo que teria poderes paranormais, que saberia muito mais dos segredos da vida do que nós. Qualquer pessoa que tenha tido a chance de conviver com um gato percebe facilmente que boa parte dessas características parece mesmo ser verdadeira. Os gatos realmente parecem ter uma percepção extrasensorial, uma visão diferenciada, além do normal. Quase sempre dão a impressão de pertencerem a uma esfera superior, a um nível mais elevado de consciência. Os gatos parecem saber exatamente como nos sentimos, mesmo que não externemos nenhuma reação diferente. Estão sempre por perto quando precisamos, mesmo sem serem chamados. E compreendem perfeitamente o que dizemos. Perceba como o gato o encara enquanto você fala com ele. Olhe dentro dos seus olhos, você verá neles a chama da inteligência. Perceberá a compreensão latente em seu olhar profundo e penetrante. Por sua espiritualidade intrínseca, os gatos foram usados como forma de proteção contra energias negativas e como vetores de cura. Os celtas diziam que os gatos, assim como demais animais domésticos, eram a reencarnação de parentes já falecidos, ancestrais que reeencarnavam nessas formas de vida para aconselhar. Nessa corrente de pensamento, o gato era considerado o animal mais apropriado, justamente por sua percepção aguçada. Animal enigmático, considerado sagrado ou maldito por diferentes civilizações ou em diferentes épocas, a fascinação que produz a sua contemplação tem algo de esotérico e misterioso. Este pequeno representante da família dos felídeos, esteve unido à história do homem com um carisma totalmente diferente ao do cão. Ao contrário deste, o gato não perdeu a sua identidade de animal semiselvagem, a sua independência e o seu absoluto desprezo a tudo o que não satisfaça o seu instinto. O cão abandonado sofre mais por falta de afeto que por carência de alimentos ou de lar, o gato além de não necessitar do dono, se aproxima ao homem para aproveitar o que o seu anfitrião pode oferecer-lhe comida, calor, carinho, etc. A beleza do gato, além das suas qualidades de felino, se encontra no seu comportamento libertário. Jamais será dominado, se ele não quiser, pelo capricho do seu dono, só se aproximará para se esfregar no seu cuidador quando ele quiser e não para exteriorizar afeto, mas por pura voluptuosidade. É capaz de viver à margem do lar e completamente autosuficiente no que se refere à alimentação num meio rural ou urbano primário e, inclusive, nas grandes metrópoles é capaz de sobreviver de restos, de desperdícios e da caça de pardais e de outras avezinhas. As diferentes raças de gatos são devidas à seleção artificial, realizada pelo homem, mas é curioso comprovar que não são tão polimorfas nem diversificadas como as do cão nem, com certeza, tão numerosas como as deste. O comportamento do gato é inerente à espécie e não se determina conforme as raças, ao contrário do que acontece com o cão. Apesar do homem ter 15 vezes o tamanho do gato, este tem mais ossos no seu corpo, tem 230 ossos, enquanto o homem tem 206. Muitos estão localizados na cauda, que quando levantada, mostra orgulho e contentamento no gato. Quando estendida e reta, mostra que está espreitando a caça. Enrolada diz que o gato está espantado ou aflito, e quando sacudida de um lado para o outro, pode indicar que ele está zangado. O gato possui movimentos cadenciados porque suas patas são densamente peludas, o que parece ser seu cotovelo, quando ele se move, é seu calcanhar, pois o gato é digitígrado, que significa andar ou correr na ponta dos dedos e com o calcanhar para cima. O número normal de dedos nas patas dianteiras é cinco (sendo que um é o polegar), e quatro dedos nas patas traseiras. Muitos gatos são polidáctilos, isto é, têm mais dedos que o normal, usualmente 6 na pata dianteira, mas existem outras variações. As pernas posteriores são mais compridas e mais fortes que as dianteiras, o que lhes permite saltar com grande habilidade. Diferentemente de muitos outros animais que movimentam as pernas dianteiras e traseiras do lado oposto ao mesmo tempo, o gato movimenta sua perna traseira e dianteira de um mesmo lado e depois as do outro.

A principal arma defensiva são suas garras. Elas podem estender-se para pular e brigar, ou retrair-se para andar silenciosamente ou quando ele estiver descansando. O ato de estender e contrair as garras repetidamente é chamado amassador e muitas vezes é acompanhado do ato de ronronar. Todas as garras dos dedos dos gatinhos apontam para um direção, por isso é que a única forma de um gato poder descer de uma árvore é de costas. isso explica porque muitos gatos não conseguem descer de árvores e têm que ser socorridos. Os gatos usam seus dentes para agarrar, segurar e cortar alimentos. Ele corta e rasga seu alimento ao invés de esmagar e triturar. A língua do gato é áspera (devido às glândulas e papilas presentes) e é usada como uma espécie de colher para beber líquidos, além de ter dupla função, com ela o gato se penteia e escova, mantendo-se limpo. O olho é seu traço mais marcante, muitas vezes comentados por sua deslumbrante beleza. Eles são tão grandes, que os olhos do homem, para propositalmente serem do mesmo tamanho, deveriam ter vinte centímetros de largura. O seu sentido mais aguçado é a visão. Através dos seus olhos, um gato pode enxergar à noite ou a níveis muito baixos de luz. Ele pode distinguir os graus de claridade muito melhor que o homem e prefere lugares quase escuros. Entretanto, ele não distingue cores e as vê como vários tons de cinza, dependendo da claridade. Ele enxerga somente as mudanças de luz. Assim, se nada se move onde ele está olhando, ele nada vê. por essa razão, o gato movimenta seus olhos muito levemente, fazendo a cena mover-se e se tornar visível. Como caçador que é, o gato gosta da perseguição e captura das presas mais comuns, passarinhos, roedores, lagartixas, etc, embora adaptado perfeitamente à vida diurna, seus hábitos são preferentemente crepusculares ou noturnos, enquanto durante as horas do dia, dorme e observa hieraticamente o mundo que o rodeia. Um gato que goze de semiliberdade pode, por mais bem tratado que esteja, abandonar o lar do seu proprietário e instalar-se no do vizinho se lá é alimentado e não fustigado. Estas peculiaridades do gato o tornam querido ou desprezado pelo homem, mas sempre respeitado pela sua eficácia como controlador roedores indesejáveis. O gato, sempre com a sua idiossincrasia controvertida e o seu magnetismo particular, constitui um dos mais atrativos animais domésticos.Durante séculos, no mundo inteiro os gato conseguiram sobreviver ao fogo e a água (milhares foram mortos em fogueiras e rios). Mas apesar da perseguição, sobreviveram, perpetuado a espécie.Talvez por este motivo se diga que os gatos têm sete, ou nove vidas. Não há sem sombra de dúvida nenhum animal tão martirizado em todos os tempos. Nos tempos modernos continuam envoltos em lendas, crendices e preconceitos. Embora descendentes de protagonistas de uma história de amor e ódio tenha hoje mais mais aliados, que inimigos. Há mais de 20 anos, a escritora Lygia Fagundes Telles ama os gatos, a ponto de fazer essa declaração em seu livro A Disciplina do amor. O gato sempre exerceu fascínio sobre as pessoas. O clássico poema de T.S Eliot, O nome dos Gatos, inspirou o musical Cats, encenado anos a fio, na Broadway, com lotação sempre esgotada. Aliás, T.S Eliot escreveu um livro inteiro de poema sobre gatos. Thomas Gray escreveu uma poema imortalizando uma gata chamada Selima. Victor Hugo tinha um diário no qual escrevia ternamente a seus gatos. E Pablo Neruda não sairia impune, também escreveu sobre eles. O gato também era o animal favorito de Edgar Allan Poe e Stephen King. Também serviram de inspiração para o cartunista Jim Davis, que criou o personagem Garfield, um gato gordo, preguiçoso e cínico, com uma personalidade forte. As tiras em quadrinhos que começaram a ser publicadas em 1978, hoje aparecem diariamente em 2.400 jornais de todo o mundo. O próprio Jim passou sua infância com mais ou menos 25 gatos, apesar da asma. Mas o Garfield, não é o único gato famoso dos desenhos, quem não conhece os gatos — Felix (Pat Sullivan), o Gato risonho (Alice no País das Maravilhas), Lúcifer (gato da Cinderela – Walt Disney), Si e Ao (Gatos da Dama e o Vagabundo – Walt Disney), Frajola (Frajola e Piu-Piu – Warner Bros), Tom (Tom e Jerry – Warner Bros). Na literatura infantil temos as histórias, O Gato de botas e a Gata Borralheira, do francês Charles Perrault, Os músicos de Bremem, dos irmãos Grimm. Inteligentes, ariscos, curiosos, talvez parte desse fascínio venha do fato de que o gato conserva muito dos instintos selvagens, também fascinam seus admiradores pelos gestos sinuosos, pelo ar indiferente de quem nunca atende quando é chamado, mas ganham carinho ao se tornar irrestíveis quando assim desejam. A lista dos seus apaixonados inclui muitos nomes famosos como os intelectuais Voltaire, La Fontaine, que enfatizava a astúcia do gato, em suas fábulas. O poeta romântico inglês, Lord Byron, defendia todas as virtudes do gato. Os nomes políticos a rainha Vitória, Abraham Lincoln, Mussolini entre muitos outros. Quanto aos artistas, temos Manet, Rodin, Ravel e Picasso. Leonardo da Vinci adorava desenhar gatos correndo, lutando, lavando-se ou repousando. Os pintores como Auguste Renoir, Fernando Botero, Andy Warhol e o brasileiro Aldemir Martins transformaram-no em obras de arte. O escritor Charles Dickens, o físico Albert Einstein, o ator Robert De Niro, a atriz Sofia Loren. Os escritores Colette, Mark Twain, Honoré Balzac, Victor Hugo, Raymond Chandler, Jean Colteau, eram admiradores confessos. O escritor Charles Perrault que criou o celebre Gato de Botas, não foi o único, o escritor Edgar Alan Poe fez do gato o tema de alguns dos seus melhores contos.

O cardeal Richelieu, ministro da monarquia francesa no século XVII, era tão devotado a seus 14 gatos que lhes deixou parte de sua herança em testamento. O escritor americano Ernest Heminqway gostava tanto de seus gatos que partilhava a mesa com eles. Chegou a ter 40 gatos de uma vez. Ilustres brasileiros como o físico Mário Schenberg teve vários gatos, a psiquiatra Nise da Silveira usou-os como co-terapeutas e o escritor João Guimarães Rosa adorava seus felinos. Muitas personalidades famosas o detestavam, mas sem dúvida a lista dos seus admiradores é bem mais extensa. Em todas as épocas, escritores, poetas, pintores, músicos, têm utilizado seus talentos para venerar seus gatos. Será de algum conforto para os criticados possuidores de animais domésticos, hoje freqüentemente acusados de perturbarem o ambiente com seus animais, o fato de que os antianimais domésticos morrem mais cedo que eles. Há duas razões para isto. Em primeiro lugar, é sabido que amigável contato físico com os gatos reduz bastante o stress aos seus companheiros humanos. A relação entre humanos e gatos é tocante, no pleno sentido da palavra. O gato roça-se pelo corpo do dono e este acaricia o pêlo do gato. Se tais donos de gatos fossem levados para um laboratório a fim de fazerem teste às suas reações fisiológicas, verificaria-se que os sistemas dos seus corpos se tornariam nitidamente mais calmos, quando começassem a acariciá-los. A tensão baixa e o corpo descontrai-se. Estas formas de terapia foi provada na prática num grande número de casos agudos, quando doentes mentais melhoravam de forma notável, depois de serem deixados na companhia de gatos domésticos. Todos sentimos uma espécie de libertação através de um simples e honesto relacionamento com o gato. Esta é a segunda razão do benéfico impacto do gato nos humanos. Não se trata, apenas, de uma questão de tocar, por mais importante que ela seja. É também uma questão de relação psicológica ligada as complexidades, traições e contradições das relações humanas.Todos nós somos feridos por certas relações, de tempos a tempos, alguns agudamente outros de formas mais ligeira. Quem tiver severos traumas mentais, terá dificuldade em resolve-los. Para estes uma ligação com um gato pode provocar grandes recompensas, devolvendo-lhes a fé nas relações humanas, destruindo as suspeitas e o cinismo e sarando as antigas feridas. Um estudo especial feito nos E.U.A, revelou recentemente que para aqueles a quem o stress provocou perturbações cardíacas, a posse de um gato pode constituir, literalmente a diferença entre a vida e a morte, reduzindo a tensão arterial acalmando o cansado coração. Estudou-se cientificamente que um dos primeiros métodos para diminuir a tensão arterial, numa pessoa que sofre de hipertensão, é a presença de uma animal domestico. O fato é que o gato, assim como o restante dos animais, parece estar em um patamar muito mais elevado que o nosso. Sua compreensão a respeito da vida é muito mais ampla e fundamental que a nossa. Seu respeito ao ciclo natural é imensamente maior. Sua espiritualidade e ligação direta com a energia criadora do universo é muito mais desenvolvida que a nossa. Eles verdadeiramente conhecem a face de Deus. Realmente vivem a vida como deve ser vivida. São inigualavelmente superiores.


Gatos a Transmutação da Essência da Vida




A maioria das pessoas acha que os gatos não fazem nada, são preguiçosos e tudo que fazem é comer e dormir. Não é bem assim!
Você sabia que os gatos tem uma missão na nossa vida?
Você já parou para pensar porque tantas pessoas hoje em dia têm gatos?
Mais do que o número de pessoas que tem cães?

Aqui está uma série de informações sobre a vida secreta dos gatos.

Todos os gatos têm o poder de, diariamente, remover energia negativa acumulada no nosso corpo. Enquanto nós dormimos, eles absorvem essa energia. Se há mais do que uma pessoa na família, e apenas um gato, ele pode acumular uma quantidade excessiva de negatividade ao absorver energia de tantas pessoas. Quando eles dormem, o corpo do gato libera a negatividade que ele removeu de nós. Se estivermos excessivamente estressados, eles podem não ter tempo suficiente para liberar tamanha quantidade de energia negativa, e consequentemente ela se acumula como gordura até que eles possam liberá-la. Portanto, eles se tornarão obesos – e você achava que era a comida com que você os alimentava! É bom ter mais do que um gato em casa para que a carga seja dividida entre eles. Eles também nos protegem durante a noite para que nenhum espírito indesejável entre em nossa casa ou quarto enquanto dormimos. Por isso eles gostam de dormir na nossa cama. Se eles verificarem que estamos bem, eles não dormirão conosco. Se houver algo estranho acontecendo ao nosso redor, eles todos pularão na nossa cama e nos protegerão. Se uma pessoa vier a nossa casa e os gatos sentirem que essas pessoas estão ali para nos prejudicar ou que essas pessoas são do mal, os gatos nos circundarão para nos proteger então, busque ver a reação dos seus gatos para ver o que eles farão quando alguém entrar em sua casa. Se eles correm para a pessoa, cheiram-na e querem ser acariciadas por essa pessoa, então relaxe. Se você não tem um gato, e um gato vira-latas entra em sua casa adotando-a como lar, é porque você precisa de um gato em casa nessa época em particular. O gato vira-latas voluntariou-se para ajudar e escolheu você. Agradeça ao gato por escolher sua casa para esse trabalho. Se você tem outros gatos e não pode ficar com o vira-latas, encontre um lar para ele. O gato veio a você por um motivo desconhecido para você a nível físico, mas em sonhos você pode ver a razão para o aparecimento do gato nessa época, se você quiser saber. Pode acontecer de haver um débito cármico que ele tem que pagar a você. Portanto, não afugente o gato. Ele vai ter que voltar de um modo ou de outro para realizar esta obrigação.



Os Gatos e a Cura



Na época de Atlântida, os curandeiros usavam cristais em seus trabalhos. Os cristais eram usados como uma canal de cura. Quando os curandeiros visitavam vilas distantes, eles não podiam usar os cristais pois o povo desconfiava deles achando que eles usavam magia negra. Como eles não podiam usar cristais, levavam gatos que exerciam exatamente a mesma função dos cristais. O povo não tinha medo dos gatos e permitiam que eles entrassem em suas casas. Desse modo, os gatos têm sido usado inúmeras vezes na arte da cura.Pessoas alérgicas a gatos são emocionalmente incapazes de amar alguém com profundidade, porque reprimem seus verdadeiros sentimentos.
Os gatos são criaturas adoráveis,e amam seus donos acima de tudo,porém têm um jeito diferente de amar, mas nem por isso deixa de ser verdadeiro. Eles são grandes amigos e companheiros, doces, meigos e fieis.

Adote um gato, sua vida nunca mais será a mesma!
Site: http://sobrenatural.org/conto/detalhar/12898/gatos_e_os_beneficios_espirituais/

Relato Emocionante de uma dona de gato.


MEU AMADO GATO
Desde que me entendo por gente, sempre morei com meu pai, pois minha mãe não teve condições de me dar uma boa vida depois do divórcio, quando eu ainda tinha por volta de seis meses, mas sempre tive contato com ela, que me visitava quase todos os dias e até mesmo alugou uma pequena casa em um conjunto não muito longe daqui. Costumávamos ir até lá durante as sextas-feiras depois da escola e passávamos o fim de semana inteiro juntas. Ela sempre foi uma mãe muito divertida e compartilhávamos muitos gostos em comum, entre eles o amor por gatos.
Um dia, minha mãe apareceu com um filhote de gato siamês, de olhos azuis e com todas as características da raça, que havia comprado para que o pudessemos criá-lo. Demos a ele o nome de Ikki, que era o mesmo nome de um gato persa negro que minha mãe teve antes do meu nascimento, a quem ela era muito apegada. Passou-se um pouco mais de um ano, nós o criamos muito bem, ele sabia alguns truques como deitar, rolar, e roubar a comida da mesa quando não estávamos olhando, e nós o amávamos demais.
Um casal de idosos se mudou para a casa ao lado junto com seu gato, um persa branco e muito ativo que tinha por volta da mesma idade de Ikki, e eles logo tornaram-se amigos, era lindo vê-los brincando. Mas Ikki era muito travesso, por muitas vezes invadiu a casa da vizinha da frente, e ela simplesmente odiava gatos, eu sempre ia buscá-lo, mas teve um dia que ela simplesmente se cansou disso.
Em uma manhã, depois do café, procurei por Ikki, mas não o encontrei. O persa branco, como de costume, estava aguardando do lado de fora da nossa casa, mas parecia diferente, ele estava muito mais agitado e assim que me viu, correu na direção da ladeira que levava até a rua. Rapidamente o segui, e lá vi que o pior havia acontecido... Ikki estava caído no chão, já morto.
Corri de volta para a casa da minha mãe e chorei demais, disse o que havia acontecido e ela suspeitou da vizinha, que confirmou ter dado veneno para ele pois estava cansada de ver o gato entrando por sua janela. Voltei para minha casa inconsolável, e na sexta, quase uma semana depois da morte de Ikki, hesitei em ir para a casa da minha mãe, mas senti que deveria, para ao menos consolar o persa branco dos vizinhos que não tinha com quem brincar.
Chegada a noite, eu e minha mãe brincamos um pouco para então nos deitarmos, e como de costume ela me contava histórias, daquelas de atrair a atenção de qualquer criança. Mas horas depois, acordei com sede, me levantei com cuidado para não acordar minha mãe e saí do quarto, liguei a luz da sala, e o que vi me surpreendeu: Ikki estava ali, andando na direção da cozinha, eu sabia muito bem que era ele, tinha o mesmo olhar brincalhão, e quando me viu, parou de andar, balançou levemente a cauda e deu um longo e doce miado, antes de entrar na cozinha. Tentei seguí-lo, mas não havia ninguém na cozinha, e mesmo depois de uma busca rápida, não oencontrei. Levei um copo de água de volta para o quarto, bebi e me ajoelhei ao lado da cama, começando a orar para que o Ikki estivesse bem, e como toda criança, cheguei a pedir um gatinho novo que se pareça com ele, mesmo que não o substitua completamente. Minha mãe acordou e perguntou o que aconteceu, quando expliquei, ela sorriu e disse que ele voltou apenas para me dizer adeus, mostrar que não havia me esquecido.
Uma semana depois, quando retornei para a casa de minha mãe, soube que o gato persa dos vizinhos havia morrido na porta da nossa casa, provavelmente esperando por seu melhor amigo. Me entristeci, mas ao mesmo tempo pensei que ele estaria melhor agora, junto de Ikki.
Hoje eu tenho 15 anos, minha mãe vendeu a pequena casa onde morava antes, casou-se novamente e me deu um irmãozinho que atualmente tem apenas um mês de idade. Dois dias após do nascimento de meu irmão, um filhote de siamês apareceu na frente do portão da casa deles, machucado e miando bastante. Minha mãe, mesmo já tendo uma gata sem raça, adulta e um pouco rabugenta, acolheu o gato a quem deu o nome de Julius. Me surpreendi que, com o passar do tempo, Julius apresentou a mesma personalidade de Ikki, tendo até mesmo o hábito de roubar comida, o que deixa minha mãe muito furiosa, mas ainda assim, é muito carinhoso, e sempre que eu visito minha mãe, ele é o primeiro a correr na minha direção, miar e me observar com seus lindos olhos azuis.
Autor: Desconhecido 

Os Animais podem ver Espíritos?


Seu gato às vezes fica seguindo o nada ou observando as paredes da casa sem motivo algum? E seu cachorro late para um corredor vazio?
Embora a estrutura mental dos animais seja bem mais elementar que a do homem, testes científicos realizados em laboratórios de parapsicologia mostraram que os animais também podem possuir habilidades paranormais. Losang Rampa, sábio oriental, autor do famoso livro "A Terceira Visão" entre outros livros, acreditava muito nisso, principalmente na paranormalidade dos GATOS. A Esposa de Losang Rampa, senhora Mama San Ra-Ad, se tornouespecialista neste assunto. Escrevendo três livros; Gatos e Homens, Dama do Outono, A Mente Felina, todos da editora Record. No famoso filme  “Ghost” foi citado a percepção extra-sensorial dos gatos na cena em que o espírito do personagem principal incapacitado de se comunicar com o mundo, utiliza um felino para chamar atenção dos vivos. Os cães também podem ver espíritos assim como os cavalos e outros animais. 

Os egípcios antigos acreditavam que os felinos não só poderiam ver espíritos e deuses, mais poderiam também viajar pelo mundo dos mortos. Por isso quando um faraó, nobre ou sacerdote falecia, um gato era sacrificado e enterrado junto ao seu morto. Supostamente, o gato acharia com mais rapidez o caminho correto para o outro lado, bastava a alma do morto segui-lo. As(os) bruxas(os) utilizam eles como detectores da presença de espíritos. Quando um gato fica estranho e assustado sem motivo aparente, ou fica observando as paredes e você olha para a mesma direção e nada consegue ver, isto pode significa que há uma presença espiritual naquele local. Se fosse um cão, estariam latindo. Os cães sentem os espíritos, mas dificilmente conseguem vê-los.

Alguns animais possuem uma faculdade paranormal conhecida como Hiperestesia Indireta, isto quer dizer que eles podem receber mensagens telepáticas principalmente de seus donos. Este ato de conversar com animais chama-se "Ppsicoveterinaria" (entre outros nomes) Segundo Núbia Maciel França, autora do livro Relaxe e Viva Feliz. A conversa psíquica com o animais pode ser desenvolvida com treinos,através da projeciologia, mentalização ou até mesmo de conversas em estado Alfa.
autor: Mr.Tlaloc

Site:http://sobrenatural.org/

Lindo gato


Curiosidades Felinas


· Homens e gatos possuem a mesma região do cérebro responsável pelas emoções.
· O cérebro do gato é mais similar ao do homem do que ao do cão.
· O gato possui mais ossos do que os humanos. Enquanto o homem possui 206, os gatos possuem 245 ossos.
· Os gatos possuem 30 vértebras, 5 a mais que os humanos.
· Gatos possuem 32 músculos que controlam suas orelha. Ele pode girar suas orelhas, independentemente, a quase 180 graus, e 10 vezes mais rápido do que o melhor cão de guarda.
· A audição dos gatos é muito mais sensível do que a dos homens e cães. Seus ouvidos afunilados, canalizam e amplificam os sons como um megafone.
· Os gatos ouvem até 65 khz (kilohertz), enquanto que os homens ouvem até 20 khz.
· Em proporção ao corpo, os gatos são os mamíferos que possuem os maiores olhos.
·Um gato enxerga 6 vezes melhor do que um humano à noite, porque necessita de 1/6 da quantidade de luz necessária ao homem para enxergar.
· Recentes estudos revelaram que os gatos podem ver o amarelo, azul e o verde. Ainda não se sabe ao certo, se conseguem ver o vermelho, provavelmente essa cor é vista como cinza ou preto..

· O campo de visão de um gato é de 185 graus.
. Os gatos sacrificaram os detalhes e as cores pela capacidade de enxergar com pouquíssima luz. Eles não conseguem enxergar pequenos detalhes, vêem o mundo desfocado.
. Por serem muito sensíveis à luz, os olhos dos gatos possuem pupilas verticais. Quando totalmente abertas, ocupam uma área proporcionalmente maior do que a pupila do homem.
. No fundo do olho, os gatos tem uma camada de células denominadas "tapetum lucidum". A luz, após absorção, é refletida por essas células de volta para a retina, para que seus receptores tenham uma segunda chance de captá-la. Isso aumenta a eficiência dos receptores da retina em cerca de 40%.
· Gatos de olhos azuis e brancos de pelagem, são geralmente surdos.
· Leva cerca de 2 semanas para o filhote ouvir bem e seus olhos abrem em média com 7 dias.
· O gato possui aproximadamente 60 a 80 milhões de células olfatórias. O homem possui entre 5 a 20 milhões.
· Os gatos possuem um órgão olfatório especial no céu da boca, chamado: Orgão de Jacobson. É um analisador de odores e é por isso que as vezes vemos os gatos abrir a boca estranhamente (riso sardônico), quando sente odores fortes.
· O gato possui um total de 24 bigodes, agrupados de 4 em 4. Seus bigodes são usados para medir distâncias.
· Gatos têm 30 dentes, enquanto os cães possuem 42. Os dentes de leite são substituídos pelos permanentes, por volta dos 7 meses de idade.
· Os gatos andam na ponta dos dedos.
. As patas do gato possuem receptores muito sensíveis que levam informações, na velocidade da corrente elétrica, até o cérebro: exploram coisas novas, sentem os alimentos, a velocidade do que passa sobre elas.
· O gato doméstico pode correr a uma velocidade de 50 km/h

· Quase 10% dos ossos dos gatos se encontra na cauda, e esta é responsável pela manutenção do seu equilíbrio.
· O gato doméstico é a única espécie que consegue manter a sua cauda ereta enquanto anda. A cauda também é demonstrativo do estado de humor do gato.
· Quando o gato está assustado, seu pêlo se eriça por todo o corpo. Quando ele vai atacar, o pêlo se eriça somente numa estreita faixa sobre a coluna vertebral.
. Gatos esfregam o rosto em objetos e pessoas para marcar com o seu cheiro, como uma assinatura. O odor é deixado por glândulas, que possuem na parte anterior do rosto.
. Fêmeas esfregam o corpo em machos que querem e também, de uma forma geral, todos se esfregam naqueles que sabem serem maiores e mais fortes, mas não quer dizer que o considerem superiores. É uma deferência e um pedido de amizade.
· O Maicis, o primitivo ancestral dos gatos, era uma pequena criatura que vivia em árvores há 45/50 milhões de anos.
· O Maine Coon é a única raça natural de gatos da América.
· Existem cerca de 100 raças de gatos.
· Gatos respondem mais facilmente a nomes terminados com som "i".
· O gato treme quando sente muita dor.
· O ronronar nem sempre é por alegria e prazer. Alguns gatos ronronam alto quando estão muito assustados ou com dor.
. Gatos selvagens miam muito menos do que os domésticos. Isso se deve ao fato dos gatos aprenderem que miando chamam a atenção do homem para suas necessidades.
· Os gatos são muito limpos e passam cerca de 30% de sua vida se limpando.
· Quando se lavam, os gatos perdem quase tanto líquido quanto perdem na urina.
· Gatos adultos e sadios passam 15% de sua vida em sono profundo. Em sono leve por 50% de sua vida, o que deixa apenas 35% do tempo no estado acordado. Mas passam do estado de sono profunda para acordado e alerta, mais rápido do que qualquer espécie.
· Um gato é capaz de pular 5 vezes a sua altura.
. O gato sempre cai de pé, desde que o tempo de queda seja suficiente, para que ele gire seu corpo e se defenda da queda, amortecendo o impacto.
· A expectativa de vida de um gato de rua (sem dono) é de cerca de 3 anos. Um gato com dono e dentro de casa, pode chegar a 16 anos. Uma fêmea chamada "Ma", viveu por 34 anos, sendo o gato que viveu mais tempo, que se tenha registro, até hoje.
. Para calcular a idade do seu gato, considere que o primeiro ano de vida equivale à 15 anos humanos. Adicione 4 (anos) a cada ano a mais de vida que ele tiver.
· Napoleão Bonaparte, Dwight Eisenhower e Hitler, detestavam gatos.
·Winston Churchill, Abraham Lincon, Florence Nightngale, Robert E. Lee, Sir Isaac Newton, Mark Twain, compositores como Ravel e Chopin , Buddha, Mohammed, Jules Verne, Ernest Hemingway, Henry David Thoreau, Monet, Renoir. Scarlatti and Liszt, Camille Saint-Saens, Albert Schweitzer, adoravam gatos.






Informações :


Rejane S.B. Melki, Médica Veterinária.
CRMV-5: 4770

Site:http://www.becodosgatos.com.br/principal.htm